O nosso método

Para garantir o rigor da informação publicada, o VIRAL adopta uma metodologia que vai ao encontro das melhores práticas jornalísticas.

O método do VIRAL é constituído por cinco passos:

  • Consultar a fonte original da informação
  • Consultar fontes de natureza documental que possam solidificar o processo de checagem
  • Ouvir os autores da afirmação, dando-lhes o direito de a explicar
  • Contextualizar a informação
  • Avaliar a informação de acordo com uma escala de avaliação

A NOSSA POLÍTICA DE TRANSPARÊNCIA

Tal como acontece com as organizações de referência do fact-checking mundial, o VIRAL subscreve integralmente o Código de Princípios da International Fact-Checking Network:

1 – Compromisso com o não-partidarismo e com a justiça

Os signatários analisam as declarações utilizando o mesmo padrão para todos os fact checks. Não concentram a sua prática de verificação dos factos num ou noutro lado. Seguem o mesmo processo para cada fact-check e deixam as evidências ditar as suas conclusões. Não tomam partido relativamente aos assuntos que verificam.

2 – Compromisso com a transparência das fontes

Os signatários pretendem que os seus leitores possam verificar as conclusões por si próprios. Fornecem informação sobre todas as fontes com detalhe suficiente para que os leitores possam replicar o trabalho, exceto em casos em que a segurança pessoal de uma fonte possa ficar comprometida. Nesses casos, fornecem o maior número de detalhes possível.

3 – Compromisso com a transparência do financiamento

Os signatários são transparentes em relação às fontes de financiamento. Se aceitam financiamento de outras organizações, garantem que os financiadores não têm qualquer influência nas conclusões a que chegam nos seus artigos. Detalham o perfil profissional de todas as figuras chave da sua organização, e explicam a sua estrutura organizacional e estatuto legal. Indicam claramente aos leitores uma forma de comunicarem com a organização.

4 – Compromisso com a transparência da metodologia

Os signatários explicam a metodologia que usam para selecionar, investigar, escrever, editar, publicar e corrigir os fact-checks. Estimulam os leitores a enviar declarações para verificar e são transparentes sobre porque e como investigam.

5 – Compromisso com correções abertas e honestas

Os signatários publicam a sua política de correções, que seguem escrupulosamente. Corrigem de forma clara e transparente, em linha com a sua política de correções, procurando ao máximo assegurar que os leitores veem a versão corrigida.

A NOSSA POLÍTICA DE CORREÇÕES

Sempre que o VIRAL errar, corrigirá o erro de forma muito visível, comprometendo-se a republicar o conteúdo já corrigido no mais curto espaço de tempo possível e com igual destaque ao que foi dado ao texto original.

Na correção deve estar muito claramente identificado qual foi o conteúdo que se verificou estar incorreto, bem como a hora a que a mesma foi efetuada. Se, na sequência da correção, se justificar uma mudança da avaliação da informação, ela será feita.

Todos os pedidos de correcção são analisados, independentemente de estar em causa um pequeno ou um grande erro.

O contacto pode ser feito através das várias plataformas em que o projeto se encontra presente ou diretamente, através de um e-mail dirigido ao endereço geral (contactos@viral.pt), aos autores dos fact-checks ou à sua diretora, Cláudia Arsénio.

COMO FAZER COMENTÁRIOS?

Qualquer comentário deve ser feito diretamente ao autor do texto em questão, através dos canais próprios disponibilizados no site, à diretora do jornal, Cláudia Arsénio, ou através do endereço geral (contactos@viral.pt).